Poesia Clássica Chinesa


.

No final de julho de 2013, a Unesp publicou a Antologia da Poesia Clássica Chinesa – Dinastia Tang, com organização, traduções, introdução e notas de Ricardo Primo Portugal e Tan Xiao, em primorosa edição bilingue chinês-português. Esse livro é, muito possivelmente, a mais abrangente obra do gênero já editada em língua portuguesa, contendo mais de 200 poemas, mais de 30 autores, a grande maioria dos quais nunca antes vertidos para nosso idioma. A introdução aborda a história da Dinastia Tang e da literatura do período; tópicos de teoria literária, como uma descrição estrutural do poema clássico chinês, e da teoria da tradução. Há ainda resenhas biográficas e críticas dos autores, e notas explicativas de rodapé. Enfim, o resultado desta nossa segunda parceria com a editora da Unesp – a primeira foi Poesia Completa de Yu Xuanji, de 2011 – superou nossas melhores expectativas. A seguir, colocamos uma pequena mostra, selecionada a partir dos poemas de sete mestres da Dinastia Tang – Li Bai, Wang Wei, Meng Haoran, Bai Juyi, Wen Tingyun, Liu Yuxi e Du Mu. Bom proveito.

 

Ricardo Primo Portugal e Tan Xiao

 

 

- Li Bai

 

秋浦歌

 

白发三千丈

缘愁似个长

不知明镜里

何处得秋霜

.

Canção do Lago Qiupu

.

cabelos brancos mais de mil novelos

tristezas igualmente longas dores

saber de onde veio ao claro espelho

o fino gelo este lugar de outono

 

 

送友人

 

青山横北郭

白水绕东城

此地一为别

孤蓬万里征

浮云游子意

落日故人情

挥手自兹去

萧萧班马鸣

 

 

À despedida de um amigo

.

Montanha verde ao norte da muralha

e um claro rio contorna a vila a leste:

eis o lugar enfim de separar-se

Mil milhas cruza a órfã errante erva

nuvens viajam mudam vagam ânimos

Ao sol poente adeus velhos amigos

agitam mãos distantes outro instante

cavalos partem ríspidos nitridos

 

 

 

- Wang Wei

 

鸟鸣涧

 

人闲桂花落

夜静春山空

月出惊山鸟

时鸣春涧中

 

 

A cascata dos pássaros

.

quietude caem as flores da canela

à noite pousam a montanha cala

súbito aponta a lua – a primavera

desperta em brados pássaros cascata

 

 

 

 

酬张少府

 

晚年惟好静

万事不关心

自顾无长策

空知返旧林

松风吹解带

山月照弹琴

君问穷通理

渔歌入浦深

.

Em resposta a poema do Conselheiro Zhang

 

tardia idade agrada esta quietude

já mil assuntos passam não preocupam

chegou-se ao fim inútil insistir

antes voltar a esta floresta antiga

vento aos pinheiros sopra e afrouxa o cinto

a lua ao monte brilha para a harpa

perguntas qual a mais alta verdade:

canto de pescador entrando ao rio

 

 

 

- Meng Haoran

 

 

秋宵月下有怀

 

秋空明月悬

光彩露沾湿

惊鹊栖未定

飞萤卷帘入

庭槐寒影疏

邻杵夜声急

佳期旷何许

望望空伫立

 

 

 

Contemplação da lua em noite de outono

.

Lua de outono brilha ao céu vazio

incandescência na gota de orvalho

Acomodaram-se em algazarra as gralhas

do frio vêm vagalumes às cortinas

No pátio às árvores esparsas sombras

este pilão na casa ao lado soa

Como saber do tempo à hora vasta

o persistente nada olhar olhar

 

 

- Bai Juyi

 

池上 之一

 

山僧对棋坐

局上竹阴清

映竹无人见

时闻下子声

 

No lago (I)

.

dois monges da montanha frente a frente

jogam xadrez entre os bambus a sombra

entre os bambus frescor ninguém se vê

por vezes ouve-se uma peça move

 

 

岭上云

 

岭上白云朝未散

田中青麦旱将枯

自生自灭成何事

能逐东风作雨无

.

Nuvem no alto da montanha

.

Manhã, flutua ao pico intacta a branca nuvem;

no campo, o verde trigo cedo estará seco.

A vida vive, à morte segue, e o que consegue?

Só pode ao vento leste ir e dar-se à chuva.

 

 

- Wen Tingyun

 

清凉寺

 

黄花红树谢芳蹊

宫殿参差黛巘西

诗閤晓窗藏雪岭

画堂秋水接蓝溪

松飘晚吹摐金铎

竹荫寒苔上石梯

妙迹奇名竟何在

下方烟暝草萋萋

 

 

O Templo do Límpido Frescor

.

Na aleia flores amarelas folhas rubras

palácios se derramam a oeste das colinas

Poesia e brilho encontram a neve sobre os picos

salões e águas outonais em cores juntam-se

 

À tarde o odor de pinho ao vento o bronze aos sinos

à sombra de bambus o musgo em frios degraus

Dos grandes feitos onde os nomes se assinalam

só a grama farta avista-se à névoa imprecisa

 

- Liu Yuxi

 

秋风引

 

何处秋风至

萧萧送雁群

朝来入庭树

孤客最先闻

 

 

Brisa de outono

.

De que lugar do outono sopra o vento

Sôfrego envolve os gansos e afugenta

Na aurora as árvores do pátio alcança

O errante solitário o ouve antes

 

 

 

酬乐天扬州初逢席上见赠

 

巴山楚水凄凉地

二十三年弃置身

怀旧空吟闻笛赋

到乡翻似烂柯人

沉舟侧畔千帆过

病树前头万木春

今日听君歌一曲

暂凭杯酒长精神

 

 

Em resposta a Bai Juyi depois de seu primeiro

encontro, em um banquete em Yangzhou

.

A oeste e sul veem-se paisagens desoladas

foram-se vinte anos e mais três no exílio

Voltar e ouvir à antiga flauta um tom vazio

de vozes silenciadas rostos que passaram

 

Desfilam velas frente a um barco naufragado

esta árvore doente encara a primavera

E hoje se escuta o canto vívido entoado:

ao vinho cálices e espíritos se elevem

 

 

- Du Mu

 

秋夕

 

银烛秋光冷画屏

轻罗小扇扑流萤

天阶夜色凉如水

卧看牵牛织女星

 

Noite de outono

.
Outono a vela incide em prata no biombo

e ela apanha em seda ao leque vagalumes

Na escadaria a noite esfria às cores úmidas

a olhar o céu duas estrelas que se encontram

 

 

 

 

 

.

Os tradutores:

Ricardo Primo Portugal é escritor e diplomata, graduado em Letras pela UFRGS. Está completando oito anos vivendo e trabalhando na China, primeiro em Pequim, depois em Xangai e, a partir de 2010, em Cantão (Guangzhou). Publicou: Zero a sem – haicais (7Letras),DePassagens (Ameop, 2004), A Cidade Iluminada (Paulinas, 1998), Arte do risco (SMCPA, 1992), Antena Tensa (Coolírica, 1988), além de participações em antologias de poemas para adultos e crianças. Foi co-organizador da edição bilíngue chinês-português Antologia poética de Mário Quintana (EDIPUCRS, 2007), primeiro livro de poeta brasileiro traduzido para o chinês, com o apoio do Consulado Geral do Brasil em Xangai. Em junho de 2011, saiu, pela UNESP,Poesia completa de Yu Xuanji, edição bilíngüe da obra da poetisa clássica chinesa (Dinastia Tang), com traduções suas e de Tan Xiao. Tem publicado poemas, além de artigos sobre tradução, literatura e temas culturais em períodicos e revistas da internet. E-mail:ricardo.pportugal@yahoo.com

 

Tan Xiao é graduada em Letras, com ênfase em língua inglesa e ensino das línguas inglesa e chinesa pela Universidade Normal de Hengyang e pela Universidade Zhong Nan, Changsha, Hunan, República Popular da China. Estudou português na UnB. Foi intérprete e tradutora português-chinês da Embaixada do Brasil em Pequim e trabalhou no escritório brasiliense da empresa Huawei. Mestre em lingüística pela Universidade de Línguas Estrangeiras de Guangdong.

 




Comentários (1 comentário)

  1. Maria Lindgren, Gostei muito. Não posso dizer se a tradução está perfeita por motivos de ignorância total da língua chinesa. Maria Lindgren
    26 agosto, 2013 as 15:55

Comente o texto


*

Comente tambm via Facebook