Pele & Osso


 

Cara Neuza.

Seu livro é muito bom. Dos poucos que me surpreenderam
dentre os muitos que me chegam.
Quando eu publiquei COLIDOUESCAPO, em 1971, não me lembro de ter recebido nenhuma resenha.
Mandei um exemplar para o Julio Cortazar e recebi em algumas poucas linhas a única e a melhor apreciação que o livro teve:
“pero es algo que se lee o que se vive, se crea, se modifica”?
Ao ler PELE & OSSO,  que faz jus ao nome,
ocorreram-me, nos seus melhores momentos, estas palavras:
BREVIDADE, BRAVEZA, BRAVURA.
BREVIDADE: [quem me criador/ se cria /atura]  [mulheres desmonalizam]  [Eu / gulosa / engolindo / nebulosa]
BRAVEZA OU BRABEZA: [esfolando a flor da pele]   [cuspi o meu coração / aqui na palma da mão]   [um fígado / um filho ]   [fogo de ferida braba]
BRAVURA:  [fera jazjaulada…imaga]    [amorfalho à lua velha]    [s í l a b a / a boca saliva]   [milimites]
Porque quando você é breve e sem !!!, a sua brevidade não é fogofátua, é necessária.
A braveza não brinca, vem das entranhas.
A bravura não tem medo nem das palavras feias nem das inexistentes.
Ezra Pound dizia que os + velhos não devem opinar sobe os + jovens, porque tendem a gostar dos que mais se parecem com eles
(os velhos). É natural que eu prefira a brevidade ao discursivo, tanto mais que venho de terminar a tradução de 45 poemas
da grande Emily Dickinson, poeta breve, entranha e estranha. Espero que a minha febre pelo breve e pelo novo
não turve o meu parecer (não posso mais que parecer, sabendo cada vez mais e sempre menos)
já que você o quer.

A poeta de PELE & OSSO me faz lembrar a primeira grande intérprete de SABOR DE VENENO, naquele Festival arrigo;  OLODANGO,
o  seu disco independente,  realmente independente; e, em clave pessoal, a arrepiante cantora de SOPHISTICATED LADY,
na minha   esforçada versão. Confere e coere.

Com admiração, o abraço do
Augusto de Campos

 

 

 


 

 
[Se não conseguir ver o PDF, baixe o plugin aqui]

 

 

 

 

 

 

Neuza Pinheiro é paranaense. Cantora, compositora e poeta. Trabalhou com Arrigo Barnabé e Itamar Assumpção. Em 2007 lançou o cd autoral OLODANGO.
Pele&Osso, ganhador do Prêmio Nacional de Literatura Lúcio Lins(FUNJOPE-João Pessoa-PB-2008) foi também semifinalista do Premio Portugal Telecom-2009. Neuza tem publicado em antologias, revistas impressas e virtuais. É socióloga, educadora e vive em Santo André-SP. www.spiritualsdoorvalho.blogspot.com e www.myspace.com/neuzapinheiro . E-mail: pinheironeuza@hotmail.com




Comentários (8 comentários)

  1. neuza pinheiro, gosto de ver meus versos assim, transportados a outros mundos, sobretudo no aconchego dessa musa rara. E afinal, hoje é domingo, pé-de-cachimbo. Vale uma alegria, independente do que possa vir…ou não.
    4 março, 2012 as 12:37
  2. Pedro Gaia, É bom ver poemas dela em um site que aprecia RARIDADE MUSAICA!
    4 março, 2012 as 16:30
  3. neuza pinheiro, saudações, Pedro Gaia. É bom ver uma palavra nova que lembra mosaico, música, haicai, arca, isca(de polícia, eheh). Caiu bem, inspiração de quem saca, seca a ferida…e sara. Coisa de Musa…. rara.
    4 março, 2012 as 19:47
  4. Tere Tavares, Uma sensação ótima ver aqui o que já folhei, li, e toquei: o livro Pele & Osso da amiga Neuza Pinheiro. Parabéns! Abraço.
    8 março, 2012 as 10:57
  5. Pedro Gaia, Que Maravilha!!!! Acabou de sair mais uma..:)
    8 março, 2012 as 11:59
  6. neuza pinheiro, Muito grata, Tere Tavares, por ter folheado, lido e tocado o Pele&Osso, eu, que já folheei e li também os seus escritos com prazer. Pedro Gaia, meu filho, que amor você, apoiando a mamãe. Meu agradecimento e o meu carinho.
    11 março, 2012 as 21:52
  7. Elson Fróes, Neuza é uma grande poeta. Sempre apostei nela e incentivei sua publicação. Confira alguns de seus poemas de 2002 no meu site: http://www.elsonfroes.com.br/neuzaverso.htm
    12 março, 2012 as 23:35
  8. neuza pinheiro, Elson, um abraço imenso e grata por divulgar os meus versos. Eu, sertaneja, passo, olho, confiro e fico alegre e me manifesto.
    15 março, 2012 as 14:17

Comente o texto


*

Comente tambm via Facebook