Intradução: Salamandra de Gôngora


.

Uma homenagem ao grande poeta barroco, D. Luis de Góngora y Argote (1561-1627) para celebrar os 450 anos de seu nascimento.

O texto é a tradução da Estrofe XXIV do seu poema POLIFEMO Y GALATÉIA.

.

Augusto de Campos nasceu em 1931. É poeta, advogado, tradutor, crítico e publicitário. Estreou em fevereiro de 1949 na Revista de Novíssimos e logo depois publica nas páginas da Revista Brasileira de Poesia, ligada ao clube de Poesia de São Paulo, da geração de 1945. Em 1951 edita por conta própria o livro O Rei Menos o Reino. No ano seguinte funda o Grupo Noigandres, com seu irmão Haroldo e o poeta Décio Pignatari . Participando do lançamento da revista Noigandres, publica no primeiro número os poemas “Ad Augustum per augusta” e o “Sol por natural”. Iniciou em 1953 a série “Poetamenos”, que seria publicada em 1955, no n.2 da revista Noigandres. Começa a publicar seus primeiros artigos teóricos em 1955, já em outubro cunhava para a nova poesia que surgia o termo poesia concreta. Em novembro vê seu “Poetamenos” ser oralizado pelo grupo Ars Nova, ao mesmo tempo que realizou conferência sobre as correspondências estéticas entre as novas artes que surgiam. Em 1956 inicia correspondência com e.e.cummings. Finaliza com Haroldo de Campos a tradução de 17 cantares de Pound e entrega para publicação 10 poemas de e.e.cummings. No final do ano ajuda a organizar a I Exposição Nacional de Arte Concreta, em São Paulo e em fevereiro do ano seguinte no Rio. Publica Noigandres n.3. Em 57 lança, como articulista do Suplemento Dominical do Jornal do Brasil, textos que seriam base do Plano Piloto para Poesia Concreta, lançado pelo grupo em 1958. Publica nesse ano Noigandres n.4. Em 1959 entra em contato com a poesia de Sousândrade, Em 1906 participa da realização da página Invenção no Correio Paulistano. Publica a tradução de cummings e de Ezra Pound. Publica em invenção estudos sobre Sousândrade. Nos anos 60 transfere sua atenção para a cultura de massa, em especial a música popular, publicando o Balanço da Bossa, em 1968. Em 1995 lançou com seu filho, o músico Cid Campos, o CD “poesia é risco” (Polygram). A performance criada a partir do CD, em parceria com Walter Silveira, já foi apresentada em diversos eventos, no Brasil e no Exterior. Nos últimos anos, Augusto de Campos vem se dedicando à feitura de poemas “verbovocovisuais” em mídia digital. Trabalhando com um computador Macintosh e programas de multimídia, desenvolve poemas novos, bem como releituras de obras anteriores, com recursos de som, animação e interatividade. Em 1996, participa da exposição Utopia como poeta do mês. Atualmente desenvolve um trabalho de poesia utilizando-se da linguagem do computador, exibindo-os via internet. Vive e trabalha em São Paulo.




Comentários (5 comentários)

  1. Augusto de Campos no MUSA RARA | TRIPLO II, [...] de Campos no MUSA RARA Posted on 03/01/2012 by [ Luís Reis @ Edição Triplo II ] Intradução: Salamandra de Gôngora O poeta Augusto de Campos envia-nos uma homenagem ao poeta barroco D. [...]
    3 janeiro, 2012 as 15:54
  2. ronald augusto, muito legal, edson. musa rara. musa solene. musa humor amor e poesia toda linguagem. abração, ronald
    3 janeiro, 2012 as 21:58
  3. Marcia, Beleza de ofuscar os olhos.
    5 janeiro, 2012 as 20:37
  4. Bia Bernardi, Que delícia de experiência!
    10 janeiro, 2012 as 15:50
  5. Dayz Peixoto, Que lindo poema. Essa bandeira rosa que pressupõe o universo azul, onde cintilam as estrelas-versos de Augusto. É só ver, não mais que ver.
    28 janeiro, 2012 as 22:35

Comente o texto


*

Comente tambm via Facebook