Intimidade Inconfessável


.

Testemunho de si mesmo

Lançar o primeiro livro de poemas é como retirar o véu de nosso eu mais caro. Exige uma dose de coragem e comprometimento com essa Musa tão fugidia que é a poesia. Ao mesmo tempo é dar a luz a uma persona artística que vai irremediavelmente nos acompanhar e filtrar a tudo o que fizermos daqui pra frente. É um gesto de afirmação com a vida que nos brinda e, por conta disso, contamina todo o universo. A mineirinha Fernanda Fatureto sabe disso e vai logo pontuando esse saber na epígrafe de seu belo Intimidade Inconfessável.

Seu livro é um ajuste de contas com o tempo e com as vivências que lhe fizeram ser o que é, com toda a dor e a alegria que o recolho da vida possa nos permitir. O que surge para o leitor são versos gravados “em talhe de porcelana”, uma delicadeza que junta os pontos / que ficaram pra trás criando um desenho aural onde o que prevalece é a sensibilidade. São pepitas que boiam luminosas quando realizamos a bateia de nossa existência até então.

Para que a fatura dos poemas de um livro seja relevante é preciso que sejam tocados pela poesia. É preciso, como dizia Garcia Lorca, que o poeta tenha o duende. E Fernanda prova com esse livro que tem o duende.

Para uma poeta, quando olha para os passos-sementes deixados para trás, tudo faz sentido, e o que não faz ela reconstrói com a magia das palavras. Como diz Fernanda em uma de suas belas estrofes: Nada se torna arbitrário / com o tempo. / Nem mesmo o acaso, / esse Deus atroz.

A poesia de Fernanda espraia-se pelas páginas secas, onde se esmera um crime delicado. Ao fim e ao cabo, por mais que contabilizemos perdas, precisamos recuperar a coragem de olhar para / o futuro sem máculas. E, talvez, a melhor forma de seguir adiante, rumo ao cheiro da alvorada, seja continuar escrevendo porque encontramos ao redor / apenas o vazio / dos ponteiros de um relógio / eterno.  É necessário permanecer com as palavras. E Fernanda diz categórica: Eu permanecerei / com as palavras. Ou, em outro momento: Escrevo / Porque nada se perdeu.

Nada se perde, porque a tudo ressignificamos com nosso grifo imperfeito. A poesia agradece. No final das contas só A noite escura saberá nossos nomes. E talvez aprendamos a olhar a vida com a simplicidade dos gatos.

 

Edson Cruz e poeta e editor. Edita o selo Musa Rara, e o site de Literatura e Adjacências de mesmo nome (www.musarara.com.br).

 

 

FERNANDA FATURETO (1982) nasceu em Uberaba, Minas Gerais. Formou-se em Jornalismo pelaFaculdade Cásper Líbero (SP). Mora há anos em São Paulo, capital, onde adquiriu todas as influências culturais que carrega na bagagem e malas pesadas.  Intimidade Inconfessável é seu livro de estreia, escrito a partir de 2006.

 

.

Conheça 4 poemas do livro Intimidade Inconfessável, de Fernanda Fatureto:

 

 

Ouro do Tempo

.
Reconhecer o ouro do tempo
Que não há mais saída para a mesmice do agora
Que as fábricas acordam de manhã
Do sonho torpe
Do dinheiro hábil
Que o homem não tem vez na roda da história
Que a natureza passa ao largo dos passos
Apressados
Cambiantes
Reticentes
Que o trabalho não alcança nunca um fim
Em si mesmo;
Apenas passa -  o tempo
E não se vê os olhos do poeta
Na contramão de tudo o que for luz.

.

Jogo do Tempo
.
I
São quase 12 horas
meio termo de vida ou morte.
O peso do ponteiro pousa na
verdade esquecida -
a vida velozmente
Presa ao destino inelutável do tempo
repassa em verso o tema escolhido.
Aparado, fabricado, adubado
vivendo
muito pouco,
poucos versos
repisados de um livro aberto.
Chegar ao centro
olhar desconfiado:
ao redor
apenas o vazio
dos ponteiros de um relógio
eterno.

II
Nada se torna arbitrário
com o tempo.
Nem mesmo o acaso,
esse Deus atroz.


.

Casa

.
Ela,
sobreviver à casa -
era seu nome.
A casa vazia,
retornar aos irmãos que morreram.
Comunicar-se com eles -
todos em diferentes ângulos,
na casa.
Seres anônimos no mundo,
de onde vem e vão.
O esquecimento torna-se geografia
E os seres dos rios se confundem com barro,
cultivando o lugar do nascimento.
Lá brotariam dos arrozais
à espera
de um nome.
Cultivando o lugar do nascimento,
o lugar da terra:
ali podem ser.

. 

Sentinela

.
Do vapor do mundo -
a neblina
o líquido espesso do chuveiro elétrico
as cinzas de um cigarro em chamas
não acenderão minha esperança,
não cooptarão meu desejo:
Aguardar, sempre alerta,
sentinela de meus olhos úmidos
diante o pequeno gesto alheio.
Repare que a vida segue
ininterrupta
diante o verso,
a página,
o adeus.

.


 


Livro: Intimidade Inconfessável

Autor: Fernanda Fatureto

Gênero: Poesia

Número de Páginas: 90

Formato: 15×20

Preço: R$ 30,00 + frete (Livro em pré-venda. Amigos e leitores de outras cidades que realizarem a compra antes do lançamento receberão o livro autografado após o evento. Aproveite!)

 

 

 

 




Comente o texto


*

Comente tambm via Facebook