GLAUCO MATTOSO


 

 

 

O que é poesia para você?

Já dei várias respostas a essa pergunta, mas acho que a melhor foi aquela que usei numa oficina que ministrei na Casa das Rosas: a poesia é uma metralhadora na mão dum palhaço. Seu poder de fogo pode ser apenas intencional, e seu efeito apenas hilário, mas o franco-atirador, ao expor-se em sua ridícula revolta, no mínimo consegue provocar alguma reação, ainda que meramente divertindo o público, e alguma reflexão sobre o papel patético dos idealistas e visionários, que, no fundo, somos todos nós.

 

O que um iniciante no fazer poético deve perseguir e de que maneira?

Depende justamente da concepção poética que ele adotou. No meu caso, trata-se de vomitar algo visceral, de me expor, me devassar e desabafar uma biografia excêntrica para me identificar com outros excêntricos e tirar, dessa diversidade de individualidades, o traço de humanidade que nos une, isto é, o sofrimento e a revolta contra as opressões e repressões. Uma das “missões” do poeta – mas não a única – é ser porta-voz dos perseguidos, injustiçados, excluídos, rejeitados e humilhados, ainda que tais angústias sejam meramente sentimentais ou emocionais – frustrações amorosas, por exemplo. Voltando à questão do iniciante, eu recomendaria três coisas: primeiro, muita leitura, poesia de várias épocas e estilos, para estabelecer preferências e simpatias; segundo, fidelidade à própria biografia, nada de fingir demais, ainda que o poeta seja um fingidor, como dizia Pessoa; terceiro, estudar versificação, mesmo que o cara não pretenda fazer poesia rimada nem metrificada. Assim, ele estará minimamente instrumentado para o “ofício”.

 

Cite-nos 3 poetas e 3 textos referenciais para seu trabalho poético. Por que destas escolhas?

Isso é sempre muito pessoal e intransferível, mas vamos lá. Gregório de Matos, por ser pioneiro na nossa história e por ter praticado duas coisas que utilizo: os jogos verbais barrocos (antíteses, paradoxos, paronomásias, paródias, trocadilhos) e sátira desbocada (inclusive enveredando pelo fescenino); Bocage, por duas características que adotei: apuro formal do soneto e deboche obsceno; Bandeira, por uma única e fundamental razão: provar que é perfeitamente possível praticar todas as modalidades poéticas, desde o verso mais ritmado e rimado até o experimentalismo mais iconoclasta e anárquico, sem perder de vista o lado humano, confessional e emocional. Quanto aos textos referenciais, sugiro, primeiro, “Os Lusíadas”, não para ler de cabo a rabo, mas para passear nele, viajar no ritmo, ir se acostumando a discorrer, raciocinar metrificando, pensar em decassílabo; segundo, “Eu”, de Augusto dos Anjos, para, ao contrário dos “Lusíadas”, percorrer, num único e curto livrinho, toda a obra duma vida, o que nos dá noção de que o poder de síntese pode ser essencial e suficiente; terceiro, “Poesia completa e prosa”, a obra reunida do Manuel Bandeira, que tenho em papel-bíblia mas que existe em diferentes edições, incluindo o “Itinerário de Pasárgada”, roteiro autobiográfico-intelectual, e a “Apresentação da poesia brasileira”, que, embora incompleta e parcial, dá uma visão panorâmica.

 

 

 

 

 

.

Glauco Mattoso (paulistano de 1951) é um dos mais radicais representantes da ficção erótica e da poesia fescenina em língua portuguesa, descendente direto de Gregório, Bocage e, em prosa, de Sade e Masoch. Na década de 1980, celebrizou-se entre a “marginália” literária como autor do fanzine anarco-poético “Jornal Dobrabil” e do romance fetichista “Manual do podólatra amador” (reeditados, vinte anos depois, respectivamente pela Iluminuras e pela Casa do Psicólogo); após perder a visão, já na década de 1990, publicou mais de vinte volumes de poesia (entre os quais a antologia “Poesia digesta: 1974-2004″, pela Landy), além do romance paródico “A planta da donzela” (editado pela Lamparina), que revisita “A pata da gazela” de Alencar. Adepto fervoroso da glosa decimal e do soneto clássico, destaca-se também como lexicógrafo no bilíngüe “Dicionarinho do palavrão” (pela Record) e como esticólogo numa “Teoria do soneto” e num tratado de versificação, “O sexo do verso: machismo e feminismo na regra da poesia”, a sair em livro. Colaborador nas mídias impressa e virtual, assina colunas na revista “Caros Amigos” e no portal “Cronópios”, entre outros veículos. Como letrista, tem sido musicado por nomes singulares do porte de Arnaldo Antunes, Itamar Assumpção, Falcão, Ayrton Mugnaini e outros experimentalistas independentes ou irreverentes. Seus livros mais recentes vêm saindo pela Dix Editorial (da Annablume), na série “Mattosiana”, entre os quais uma história do rock e uma pesquisa do cancioneiro popular brasileiro, tudo em forma de soneto. Eis os endereços e contatos:

www.annablume.com.br

http://glaucomattoso.sites.uol.com.br

glaucomattoso@uol.com.br

 




Comentários (2 comentários)

  1. Moreno Pessoa, Fantástico, Edson! Não vejo a hora! Grato, grato. o/
    4 setembro, 2013 as 21:23
  2. Maria Lindgren, Eu também gosto de ler poesia gostando. Daí que estou com o livro da Cleonice Berardinelli sempre à mão. Um beleza de poesia portuguesa. Vale a pena. Gostei muito do poema de Solano Trindade Maria Lindgren
    9 setembro, 2013 as 17:57

Comente o texto


*

Comente tambm via Facebook