Eros e Tânatos I


 

.

EROS E TÂNATOS

EM

DANAÇÃO

 

 

 

ATO I

DO QUE SE OUVIA DOS BASTIDORES

 

- Ele enfiava o ferrão afiado numa fenda funda dela.

- Ela agarrava cravava garras e esgarçava a Cava dele.

- Esguichavam ejetavam seus venenos.

 

 

ATO II

DO QUE SE OUVIA DA PLATEIA

 

- Era um balé belestranho.

- Um pas de deux de meter medo medonho.

- De um furor feroz terrível tamanho.

 

 

ATO III

DO QUE SE DIZIA SEREM SUSSURROS DELES

 

- Tarântula traiçoeira.

- Lacrau lacaio.

- Tarântula tranqueira.

 

 

ATO IV

DO QUE SE ESPECULAVA DAQUELE ENCONTRO

 

- Por certo se amatarão em cena.

- Não sobreviverão à sina.

- Enfim o fim. A Escritura ensina.

 

 

ATO V

DO QUE DELES SE OUVIU NO FINAL

 

Um grito gozo gemido,

Um silvo sopro silêncio.

Depois parou pulsação.

 

 

ATO VI

DA ÚLTIMA NOTÍCIA QUE SE TEVE DELES

 

Última vez vistos atracados

Não se distinguia quem era nau ou cais.

Entreles escorria visguento espesso líquido.

 

 

EPÍLOGO

.
“Algumas coisas devem ficar na obscuridade.

É melhor não levantar o pano.”

(Lygia Fagundes Telles)

 

 

 

 

 

 

 

 

.

Wilson Freire nasceu em São José do Egito, Sertão de Pernambuco. Vive em Recife, é médico,  escritor, compositor, cineasta, participou  das coletâneas “Novo Conto Português Brasileiro” PUTAS. Quasi Edições – Vila Nova de Famalicão/Portugal 2002, “Os Cem Menores Contos Brasileiros do Século”. Coleção Cinco Minutinhos Ateliê Editorial – São Paulo 2004. Autor do Romance:  “A Mulher que queria ser Micheliny Verunschk”. Edith – 2011. Parceiro de ANTÔNIO NÓBREGA nos CD’s: “Na Pancada do Ganzá” – Prêmio Sharp de Música 1997 (Melhor música e melhor CD); “Madeira que Cupim não Rói” 1998;  “Pernambuco Falando para o Mundo” 1999; “O Marco do Meio Dia” 2000; “Lunário Perpétuo” 2002; “09 de Frevereiro” 2006 e 2007. Autor do conto “Conceição” adaptado para o cinema. Curta metragem com direção de Heitor Dhalia. Co-roteirista, com Heitor Dhalia, do longa-metragem “As Três Marias” (roteiro premiado pela Fundação  Hubert Bals – Roterdã – Holanda/2000). Roteirista e diretor  do filme “Uma Cruz, uma História e uma Estrada”. Vencedor do concurso do DOCTV III – PE. Vencedor do festival de vídeo Eco – Amazônia – 2008 (melhor fotografia).  Roteirista e diretor  do filme “Miró: Preto, Pobre, Poeta e Periférico” 2008 – Documentário. Vencedor da Amostra Pernambucana de Vídeos Cine PE/2008. Vencedor do Festival de Vídeos de PE/2008. Vencedor do prêmio Melhor Documentário do 1º Festival de Cascavel PR/2008. Vencedor do Festival de Vídeo de João Pessoa/2008 (melhor documentário). E-mail: wilson-freire2011@hotmail.com




Comente o texto


*

Comente tambm via Facebook