Contos para celebrar a vida


.

Um dos contistas mais talentosos da literatura brasileira contemporânea, João Anzanello Carrascoza traz ao catálogo juvenil da Cosac Naify o primeiro livro de contos de um autor brasileiro lançado pela editora. Com sua já conhecida prosa poética, Carrascoza faz, em Aquela água toda, uma bonita celebração da vida ao transformar situações cotidianas – e aparentemente banais -, “essas coisas que todos fazemos enquanto estamos vivos”, em acontecimentos memoráveis e profundos.

Em comum, as onze histórias reúnem relatos de primeiras experiências ou vivências marcantes – o primeiro amor, a primeira decepção com um amigo, o encontro com o mar, a mudança de casa. Ambientadas quase sempre dentro do núcleo familiar, envolvem a delicada – e por vezes conturbada – convivência entre pais, mães, filhos e tios, suas descobertas, fraquezas, tristezas e surpresas, despertando, assim, a cumplicidade do leitor.

Os protagonistas são em sua maioria garotos e garotas em fase de amadurecimento, quando as contradições e os conflitos interiores parecem ser a premissa da vida. Aquela fase em que já estão crescidos para algumas decisões, e até gozam de certa liberdade, mas ainda são crianças quando convém (a eles ou aos pais). O personagem do conto que dá nome ao livro, por exemplo, diante da imensidão do mar, projeta-se como um homem. Por outro lado, ainda é a mãe quem lhe passa o protetor solar.

Apesar de não ter as marcas de um período temporal específico, Aquela água toda guarda em si um quê de nostalgia, como quando o autor revisita uma época em que ir ao aeroporto admirar os aviões pousarem e decolarem era um verdadeiro programa em família. Ou quando as sessões vespertinas de cinema ainda eram chamadas de matinê.

Em seu primeiro trabalho em livro de ficção, a artista Leya Mira Brander, da Galeria Vermelho, criou imagens-síntese de cada conto. Objetos ou animais sobrepostos pela impressão em papel gordura proporcionam, a partir da transparência do papel, a sensação de continuidade e acúmulo, como se cada episódio narrado fosse parte de toda uma vida. Para isso, utilizou elementos característicos de sua arte: folha de cobre e de papel vegetal.

Nas palavras do escritor Ronaldo Correia de Brito, que assina o texto de quarta capa: “Narrativas assim estavam fazendo falta na literatura brasileira contemporânea. Mesmo quando a tristeza, a ansiedade e o medo atravessam algumas histórias, há sempre a esperança da superação e a consciência de que é possível ser melhor no dia seguinte”.

Ao final do livro, o leitor é tomado por uma sensação de contentamento. E por uma incontrolável de vontade de viver.

.

 

 

 

 

.

ILUSTRADORA:

Leya Mira Brander é paulistana, formada em artes pela Faculdade Armando Alvares Penteado (Faap). Apaixonada pela gravura, seus trabalhos desafiam essa técnica antiga, transformando-a em contemporânea. Seus trabalhos fazem parte de acervos importantes como o do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Participou da 28º. Bienal de Artes de São Paulo (2008) e já teve algumas individuais, especialmente na Galeria Vermelho, que a representa. Também foi convidada para expor fora do país, nos Estados Unidos, em Portugal, na Suíça, na Alemanha, em Cuba e na Colômbia.

 

 

.

João Luis Anzanello Carrascoza nasceu na cidade de Cravinhos, interior de São Paulo. Formou-se em publicidade na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e chegou a trabalhar em agências. Em 1994, publicou seu primeiro livro, Hotel solidão, surgido em uma oficina literária coordenada por João Silvério Trevisan e, de imediato, muito elogiado. Hoje, coleciona alguns prêmios (Radio France Internacionale, Jabuti e Eça de Queiroz) e tem mais de vinte livros publicados, sendo O vaso azul (1998), Duas tardes (2002) e O volume do silêncio (Cosac Naify, 2006) suas obras de maior destaque. Esta última, cuja apresentação é do crítico Alfredo Bosi, ganhou uma edição espanhola pela editora Baile del Sol, sob o título El volumen del silencio (2011). Alguns de seus contos também aparecem em antologias na Itália, Estados Unidos, Suíça e pela América Latina. E-mail: jcarrascoza@espm.br




Comentários (1 comentário)

  1. NOVAS NA MUSA, [...] Contos para celebrar a vida [...]
    12 abril, 2012 as 17:41

Comente o texto


*

Comente tambm via Facebook