• Uma aula pública

    Por Edson Cruz
    Em 10/03/2012

    .

    Devo muito à Letras da USP, a alguns professores que esbarrei por lá e a todos estes anos de convívio e aprendizado com amigos, parceiros, mestres, textos;  ao próprio fato de ter estado lá. Este ano, se tudo der certo, devo terminar minha graduação estendida. Suguei tudo que podia, da forma que podia, com o tempo que tinha para isso. De seus corredores, classes e inquietações surgiram ideias e parcerias. A partir de seu ímpeto surgiu o Cronópios. Com a parceria do colega de Grego, Marcelo Tápia, surgiu a Revista Mnemozine. Quase parei por vários motivos. Em alguns momentos quase não tinha tempo de ir às aulas. Lá, tive aulas magníficas com o Hansen, e fiz uma entrevista com ele que foi um show. Fui incentivado a não parar por suas aulas, pelas do Jorge de Almeira, pelas do Jaa Torrano (de quem me tornei amigo fraterno) e, quando estava indo pra seção de alunos para tentar trancar a matrícula de uma vez por todas, fui dissuadido pelo prof. Roberto Zular.

    Todos estes anos, fiquei longe do movimento estudantil. Talvez, porque ainda traumatizado com as experiências que tive no Centro Acadêmico da FMU, quando estudava Psicologia e quase fui expulso.

    Mas não dá pra ficar assistindo a tudo que vem acontecendo na USP nos últimos anos. A tanta desinformação da imprensa e de amigos da sociedade.

    Na USP, aprendi a entender e a desconstruir os discursos. A distinguir quando vendem algo como real e verdadeiro, e não passa de ideologia. Aprendi a melhorar o meu próprio discurso e escrita.

    Sobre os fatos comentados nos vídeos, uma síntese deles (na visão dos estudantes) pode ser lida abaixo. Felizmente, a realidade é mais complexa do que se apresenta. E as palavras dizem mais do que aparentam. Felizmente, tive a oportunidade de ouvir e dialogar com mestres como o prof. João Adolfo Hansen.

     

    Edson Cruz, poeta e editor da MUSA RARA

     

     

    .

    Pequeno fundo de cena:

    “No final de outubro, de 2011, a PM encontra, no estacionamento da Faculdade de História da USP, estudantes em posse de quantidade não revelada de maconha, que são detidos. Os demais alunos protestam contra a ação da Polícia Militar e há confronto entre policiais e estudantes. A Administração da FFLCH é invadida e desocupada alguns dias depois, após decisão em assembleia. Em seguida, a reitoria é ocupada por um grupo de estudantes que, depois de 6 dias, é desocupada em lamentável episódio de reintegração. Lamentável porque crianças que moram no CRUSP (moradia universitária) despertaram às 4:30 da manhã aos rojões e estouros de bombas, inalando gás de pimenta pelos corredores pela ação de mais de 400 homens da Tropa de Choque, acompanhados da cavalaria e helicópteros para tirar 70 estudantes desarmados de um prédio, deixando clara a intenção de espetáculo. Lamentável porque a reintegração foi impedida de ser coberta às claras pela mídia, anulando qualquer possibilidade de conclusão sobre a ação da polícia, mesmo sobre o fato isoladamente. Lamentável, ainda, porque todo texto tem contexto e a grande imprensa (manipulada e manipuladora?) isolou fatos a fim de colocar a opinião pública contra os estudantes e a favor das atitudes arbitrárias do reitor. Lamentável porque o bem é tido por cruel e o mau é tido por bom, de acordo com o ângulo ou o zoom escolhido pela câmera, ângulo que é, por sua vez, escolhido pelo reitor, reitor que é escolhido por quem?”

Comentários (4 comentários)

  1. Bia Bernardi, Fico me perguntando: quel é a minha opinião sobre tudo isso? O que eu faria se estivesse lá? O que eu faria em 1970, nas ruas, quando as atrocidades se multiplicavam? Será que voltamos ao mesmo patamar? Ou estamos rodeados de moleques que acham que sabem o que querem? Não sei… Já escutei tanto sobre o assunto, tantas opiniões tão diferentes umas das outras que me confundo nas idéias.
    9 março, 2012 as 19:26
  2. admin, Bia, se vc assistiu, ouviu e pensou sobre tudo o que o Hansen explicitou, não há como se confundir com as ideias. Ele desconstruiu todos os argumentos contrários. Uma análise impecável do discurso com as suas várias implicações.
    9 março, 2012 as 21:20
  3. joão antonio buhrer, Meu caro Edson Tudo que saiu na imprensa foi distorcido. Eu me abasteci dela e fiquei totalmente alienado do que estava e está ocorrendo. Ouvindo o bravo prof Hansen finalmente pude entender o processo que está em curso na Usp como no Estado de S Paulo de uma maneira geral. Muito obrigado meu caro, a Imprensa Alternativa hoje se manifesta em sites e blogs. Mudam os tempos e mudam as vontades. Belo trabalho de reportagem. ab joão antonio
    12 março, 2012 as 1:07
  4. Reflexões sobre a literatura na web |, [...] Uma aula pública 10/03/2012 [...]
    27 março, 2012 as 13:49

Comente o texto


*

Comente tambm via Facebook
  • Diálogos Críticos

    Casa e Hansen_min

    Extraordinário diálogo com o professor
    aposentado de Literatura da USP, João Adolfo Hansen. Na Casa das Rosas.

  • Obrigado, Senhor!

    SP, 08/05/2014, Caso Fabiane / Suite

    O artista sonoro e visual Márcio-André
    mostra-nos vídeo dedicado a mulher torturada e assassinada publicamente. Confira.

  • Diálogo ao Vivo

    paulo1

    Confira como foi o diálogo O QUE É A
    POESIA – de março/2013 – com o poeta e tradutor Paulo Henriques Britto.

  • Borges e a criação literária

    jorge-luis-borges

    O escritor Jorge Luis Borges fala sobre
    criação literária. Entrevista que concedeu a Joaquín Soler Serrano.

Musa na Mesa