Manifesto e Poemas


Especulações poéticas

 

A verdadeira questão é o que é poesia. A poesia realmente existe, ou é o produto de alguns entusiastas. No entanto, a poesia está em toda parte, no tempo em que vivemos, na cidade em cujas ruas e pessoas encontro inspiração, a poesia como uma estética necessária, melhor dizer, como um imperativo da vida. A arte é uma forma de comunicação, a estética é algo real, algo ainda mais durável do que real. Nós não escrevemos porque queremos, escrevemos porque temos que, somos forçados rouxinol, com gaiola ou fora de gaiola, com poema que nunca está em uma gaiola, o poema, bem como o amor é a unidade. Somos poetas fluorescentes, desafiando Orfeo. Somos uma geração de rastreador implacável, pintor da vida cotidiana, os minstrels egípcio, com a música que estamos à procura de um imensidão artificial, forma eletrônica. Nós não fazemos a paz com o cotidiano, de maneira exclusiva, com a ausência de síntese, com um paradigma simples, a ausência de significado, a degradação dos movimentos, os tempos postpostmodernos, criamos a poesia como uma linha reta. Não permitimos que a história cante para nós. Não permitimos que as teorias pós-modernistas tornem o passado real o futuro ainda não realizado. Este é um passo para trás. Estamos lutando pelo tempo em que estamos. Com a beleza original criamos poesia. Nós amamos e nos esforçamos para intransigente, extático, infinito. Peculiaridade é a nossa poética e imediatismo é a nossa filosofia. A principal diferença entre teoria e poesia é a emoção, as teorias da poesia afastam a emoção, e isso é para os poetas mais valiosos.

A emoção que está melhorando como uma poesia mais alta da civilização. Estranheza, buscando para beleza que é natural, verdadeira, inovadora, peculiaridade que é criativa como discurso único, a tangente original da realidade. A originalidade que sai do monitoramento, e a antiga máxima Conheça a si mesmo. Caráter cria um trabalho, poema decora um poeta. Poemas são palavras reais, formas de beleza em comunicação com todos. Eles dirigem, motivam ou criam. Os poemas são ornamentos do discurso. O homem é uma cultura homo cantus, homo ludens. Uma poesia é linguagem superior, a forma mais elevada em que uma civilização se expressa. Grau de satisfação de uma sociedade é medido pela presença de poesia, e intensidade de poesia. A poesia é um negócio da sociedade. A abertura do indivíduo ao discurso literário. Poesia é um jardim urbano em que nos movemos, tudo é poesia. Os poetas são os rouxinóis de pedra, leões emplumados, deuses de órgãos, filósofos denunciados, eremitas na cidade do mundo, King Kongs de Piccadilly, Girafas do Rio de Janeiro, Zebras de Marraquexe, Golfinhos de Gibraltar, caranguejos japoneses.

Os poetas são malabaristas, almofadinhas, trovadores. Os poetas são os moderadores. Poesia é cantada com paixão equaly na Poetry Slams, outdoors de Nova Iorque, no Tweeter frases, a poesia é realmente tocado no iPhone, bondes são as bibliotecas, os metrôs são teatros. Livros reais foram convertidos, em aquários intangíveis, integral Eldorado, circus ball em que vemos através dos óculos de alta prescrição. Quem lê o poema, e o que diz o poeta. Todos nós fomos engolidos por um peixe, e no peixe estamos apaixonados. Nós viajamos com caravelas de Corinto à Olinda, de Amapa à Belém. Mediterrâneo com a matemática eslovena e as cordões bizantinas. Mirall de trobar da Barcelona e Partimen da Catalunha. La poesía tiende a conglomerar de significado, abundancia de rasgos y signos. Sin embargo, la poesía no los pierde, sino que los usa y combina. No nos perdemos en la proliferación de la realidad, pero la utilizamos para el poema. Utilizar recursos dinstintivos y numerosos, en la modernidad, en lo artificial, cantar compasivamente, inusualmente, intuitivo. Cante vanguardista, metamoderno.

La poesía tiene posibilidades técnicas ilimitadas hasta cierto punto cuando empieza a perder emoción. La poesía es existencial, natural, renovable. Esto significa que la poesía no pierde el contacto con su metafísica y su metafísica del estado original. La metafísica es un sentimiento, un sentimiento del que cantamos. Ese es su amodernismo y anamoderismo. Sin embargo, su modernidad es el amor, imperativo de tres condiciones de la poesía ana-moderna. La cita no es la realidad, el postmodernismo no abolió al hombre, no niega la necesidad de su existencia, el hombre es ontología del poema en la posmodernidad existencial.

Los bardos cantan en amor no lineal, mientras que el pastiche es lineal. La existencia no es paralela sino única. Por lo tanto, el postpostmodernismo es derivado y natural. No hay metafísica paralela, por la sensibilidad del metamodernismo. Los poetas somos capaces de sentirnos en ausencia de la naturaleza en las áreas urbanas, y esa es nuestra amodernidad, metafísica de nuestra escritura. Los sentimientos pueden ser simples o complejos, para ser naturales, pero en ningún caso pueden ser sólo complejos. Los valores básicos son generales y lineales. La poesía no destruye. Evolución es una síntesis. Nos estamos moviendo a través de un mosaico de absurdos, pero cantamos maravillosamente. Cantamos amor no lineal, y cantamos naturalmente.

Metafísica se destaca por causa do absurdo não é uma coisa artificial por si só, mas é um sinal que se desenvolve mais na poética. O signo onde o poeta atribui a metafísica, no entanto a metamodernidade da poesia é original, os objetos não existem por si mesmos, eles não têm sentimentos e não estão em emoções que interagem até que o poeta estranha para usá-los. O imperativo do sentimento na poesia é a unicidade, a unidade da sociedade, a unidade como tal. Poesia é a lei. Poesia é tudo. Poesia sem sentimento é o pós-renascimento da pseudopoetria. Nossa geração tem uma tendência crescente e a necessidade da verdade, para um caminho aberto e direto. No tempo indicado da realidade artificial, a pseudotruta e o engano, numa época de democracia, expectativas falhadas, verdadeiros ideais e possibilidades reais, esta geração de poetas tem sobretudo uma necessidade expressa de verdade, de ambivalência, de natural e moderno, de desenvolvimento , Para aglomerações de sentimentos, para síntese. Para a paz, convergência, interação criativa. É o objetivo intelectual, e esse é o verdadeiro sistema de valores atuais.

No livreto de deveres finas. As rimas estranhas. Trivialidade do recurso. A geração que quer, olhar, sentir, cambaleando, tem algo a dizer. A geração que não se conforma com pressupostos anteriores sobre o presente. Geração intransigente, original, significativo. Gerando verdadeiro desafio. Na troca de experiências, a catálise criativo constante. A tese da criação, aperfeiçoamento, desenvolvimento e sobrevivência; somos obrigados a dar poesia palavras excepcionais.

 

 

 

 

Igual

entre âmbar
e olhos azuis
sete guerreiros
do cardo
e o calor do sol
como três colibris
em suas abas

 

.

O senhor

Seja despreocupado e misterioso.
O seu céu não tem mar
Com o coração em vez do sol.
Voce não sabe voar
Mas você é um poeta-beija-flor
O cormorao com gravata
E quatro lados do mondo
(Entre as meninas e
Diamantes)

.

***

 

“Manifestos”

 

Anamodernismo

Houve um novo presente, um presente moderno, no fundo, com o absurdo e não absurdo, um presente que não impõe a filosofia futuro, mas liberta, liberta a teoria mais recente de todas as teorias futuras, que retorna modernidade no tempolidad, ea arte parece atemporal. A arte nunca será transitória.
.

I

Apolo o desafiador, o manifesto

 

A arte é encantadora.
Os rouxinóis estão expostos em museus.
O canto canção em gaiolas.
As gaiolas são mais atraentes do que a música.
O que aconteceu antes o poema e do poeta
¿Criação ou criador. Deus.
Bardos cantam em planetários.
As pessoas são felizes louco.
Em vez de sol é o céu eo céu é contemporânea.
Peixe rindo no clavicórdio.
Metáforas bizantinos.
Geometria se estende para o mar de areia.
Sol vermelho olho branco jardim rodada.
A florista e o coletor de lixo
Jesus plástico e rouxinol absurdo.
Agora e sempre, rebelião, rebelião coloquial,
revolução de geração desafiadores,
agradável rebelião!
O absurdo é baço do século XXI.
Cabaletta de infraismo.
Nós levantamos revolução de não absurdo.
Este ônibus brilhante de soluções diferentes.
Tobago, Samarkand, Delhi, Paris.

 

II

Manifesto de Metamoderna, Alceu

 

Zebra amrela começou em Kuala Lumpur
Em Piauí foram natação pinguins,
nas ruas de Paris cavalos,  touros furadas  com fragrância,
rãs filosóficas andando boulevards.
Poetas sozinho em  teatro violeta. Peixes do filme,
museu do mundo, em movimento.
Os  animais e suavementes metais!
Lá fora, gaiolas de chocolate e
lotes de poetas fascinantes!
Ninguém sabe os poemas, mas para pregar o amor!
Ficarão de fora os proponentes, estorninhos nos ramos!
artistas -camaleões de circo, Rapsodes de Iberia!
Caesares  do areia. A poesia é um dirigível sincrética.
A poesia é o amor. Nos braços  de cámbaro. Amor metafísico.
Você não pode  afundar. Tudo está no mar, escaravelhos azuis.
Metamoderna. Rouxinóis cantam sobre leão plástico.
Pratas tartarugas do Banguecoque,  crocodilos do Recife,
Bonsai formiga, cangurus do Brasilia, aventura  do comediante,
cada um  no mercado global.

 

 

 

 

 

 

[confira seu Poesía Indignada]

 

 

 

 

.

Lepota L. Cosmo é poeta e teórico, fundador do Anamodenismo e Tensurrealismo, escritor do Manifesto da ANAMOD, editor do Journal of Advanced Rhetoric (JAR). Publicado em Souffles Montpellier, Rowayat Cairo, Azahar Cádiz, Ama-Hashi Quioto, Revue OC Bias (Lot-et-Garonne). E-mail: lepota.cosmo@hotmail.com

 


Comente o texto


*

Comente tambm via Facebook