Uma das formas de viver


 

O que é poesia para você?

A poesia, para mim, é uma das formas de viver. Que está incorporada em meus dias. Significa captar, no cotidiano (ou em outra dimensão que não ouso nomear), as emoções. Os pensamentos. Para depois devolvê-los ao mundo transformados em outra linguagem: a da poesia. Mas, muitas vezes, abandonei este caminho – a estrada real – para conhecer o atalho. Visitar a cor de outras ramagens.

.

O que um iniciante no fazer poético deve perseguir e de que maneira?

Um iniciante – que para mim são todos os poetas no momento que iniciam a escritura de um poema – é exatamente esta palavra: perseguir. Escrevendo, reescrevendo até encontrar a forma exata que o próprio poema reconhece. Também é necessário estabelecer um diálogo com os procedimentos artísticos do passado e do presente. E abraçar as múltiplas vozes que imploraram as nossas palavras.

.

Cite 3 poetas e 3 poemas referências para o seu trabalho poético. Por que destas escolhas?

Os poetas referências para o meu trabalho são aqueles cujos poemas, ou trecho de poemas não consigo esquecer. Porque são poemas ou trechos de poemas que eu gostaria de ter escrito. Por exemplo, o de Lúcia Ribeiro da Silva:

De tudo que tive na vida
Só levarei um pôr do sol
De tudo que tive do tudo
Só levarei um pôr do sol
De todas as coisas ardentes
Só levarei um pôr do sol
Só levarei
Sol levarei um por do sol.

(do livro Jogo fixo, Livraria José Olympio Editora, apresentação de Walmir Ayala, RJ/R/, 1966)

 

E também a última parte do poema Natal de Claudio Mello e Souza:

Olhar sem susto para o fim.
No meu último passo,
Serei o último sujeito.
Deixarei vestígios.
A vida não é um crime perfeito.

(do livro Passageiro do tempo, Editora Nova Fronteira, RJ/RJ, 1985)

 

No mais, há os outros poetas que me acompanharam e acompanham sempre, com maior ou menor intensidade os, digamos, clássicos, como Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meirelles, Manuel Bandeira: referências insubstituíveis.

 

 

.

[Um pouco da poesia de Eunice Arruda você encontra aqui]

 

.

O último poema que Eunice postou em seu blogue:
.

GABRIEL

.
Cuidando da imortalidade
um poeta esquece a
vida 

Come o pão
amanhã

Cerzindo as roupas claras
se veste de luto
pela casa
pobre cuidando: um poeta

De sonhos é que é

corrompido

um dia será lido

 

[Poesia Reunida, Eunice Arruda- Editora Pantemporâneo, 2012]

 

 

 

.

 

 

 

Eunice Arruda nasceu em Santa Rita do Passa Quatro (SP). Pós-graduação em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP (1988). Prêmio no Concurso de Poesia PABLO NERUDA, organizado pela Casa Latinoamericana, Buenos Aires, Argentina, 1974. Presença em antologias, com poemas publicados no Uruguai, Colômbia, França, Estados Unidos, Canadá. Fez parte da diretoria da União Brasileira de Escritores e do Clube de Poesia de São Paulo. Ministra oficinas de criação poética desde l984, em locais como a Biblioteca Mário de Andrade e a Oficina da Palavra (Secretaria de Estado da Cultura). Coordenou os projetos Tempo de Poesia/Década de 60 em l995 e Poesia 96/97, promovidos pela Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. Por tais iniciativas recebeu o prêmio de Mérito Cultural em 1997 conferido pela União Brasileira de Escritores do Rio de Janeiro, RJ. Foi homenageada com o prêmio Mulheres do Mercado, concedido pela Casa de Cultura de Santo Amaro – São Paulo/SP, 2005. Em 2006, fez leitura de poemas para o programa Momento do poeta Instituto Moreira Sales (IMS) SP, disponível na Rádio IMS: www.ims.com.br. Leitura de poesia no projeto “Mulheres do Planeta” (Casa das Rosas e Oca). Lançou os seguintes livros: É tempo de noite. São Paulo, Massao Ohno, 1960. O chão batido. São Paulo, Coleção Literatura Contemporânea, n.7, 1963. Outra dúvida. Lisboa, Panorâmica Poética Luso-Hispânica, 1963. As coisas efêmeras. São Paulo, Ed. do Brasil, 1964. Invenções do desespero. São Paulo, edição da autora, 1973. As pessoas, as palavras. São Paulo, Ed. de Letras e Artes, 1976 (1. ed); São Paulo, Ed. do Escritor, 1984 (2.ed). Os momentos. São Paulo, Nobel/Secretaria de Estado da Cultura, 1981. Mudança de lua. São Paulo, Scortecci, 1986 (1. ed.); 1989 (2.ed.) Gabriel: São Paulo, Massao Ohno, 1990. Risco. São Paulo, Nankin Editorial, 1998 (Prêmio “Fernando Pessoa” da União Brasileira de Escritores, RJ/RJ). À beira. Rio de Janeiro, Blocos, 1999. Há estações (haicai). São Paulo, Escrituras Editora, 2003 – selo do Programa Nacional do Livro Didático. Olhar (haicai). São Paulo, Dulcinéia Catadora, 2008. Dias contados (conto). São Paulo, RG Editores, 2009. Blog: www.poetaeunicearruda.blogspot.com

 

 


Comente o texto


*

Comente tambm via Facebook