Acerto de contas


.
Sentenciado pelo próprio autor como a última obra de sua lavra no campo da poesia, Acerto de contas (Global Editora, 176 páginas) é um balanço de toda a produção literária de Thiago de Mello. Dedicado a outros diversos escritores como Joel Rufino dos Santos, Darcy Ribeiro, Gilberto Freyre, entre outros, o livro apresenta mais de setenta poemas inéditos escritos durante sua carreira. A obra está dividida em cinco partes, sendo a última uma espécie de acerto de contas com a vida.

Neste livro, o poeta da floresta povoa seus versos com o aroma de sua maneira doce e corajosa de avistar os recantos mais desconhecidos da condição humana. Poeta de fina sensibilidade e de profundo compromisso com os destinos do mundo, suas criações estão permeadas pela vivacidade de sua trajetória em defesa da humanidade e da natureza.

O livro apresenta também algumas preciosidades, como uma carta que Drummond escreveu para Thiago em 1986, além de um poema escrito por Thiago Thiago de Mello, filho do poeta.

Com 88 anos, Thiago de Mello publicou, aos 25 anos, seu primeiro livro de poemas, Silêncio e palavra, e, desde então, nunca mais parou de escrever. “Nasci com o ritmo dentro de mim e é da própria vida que nascem os meus poemas. A inspiração vem da vida do homem neste lugar chamado Terra. O que me comove ou me espanta me dá esperança ou indignação”, revela.

 

[...]

Coragem tenho de me ver. Contudo,

construo devagar o que mais quero:

findar me vendo no meu próprio espelho.

Valeu-me a vida quando descobri

que o ser é a minha própria gravidade.

Se ela desmaia, eu me desapareço.
.

(O Ser em Soneto, dedicado a Tenório Telles)

 

 

Sobre o autor: Thiago de Mello nasceu em Barreirinha, Amazonas, em 1926. Poeta e diplomata (demitiu-se após o golpe de 1964), ele foi amigo e tradutor de grandes poetas latino-americanos, por exemplo, Pablo Neruda. Mas a sua poesia, amorosa e libertária, permanece como sua grande obra. Traduzido e publicado em muitos países, é extensa a sua bibliografia. O poeta vive hoje no coração da floresta, à beira do rio Andirá, na casa que Lúcio Costa inventou para ele. Pela Global Editora, Thiago integra o Roteiro da Poesia Brasileira – Anos 50, com seleção e prefácio de André Seffrin. Também organizou Poetas da América de Canto Castelhano e tem publicado Amazonas – Pátria da água e Melhores Poemas Thiago de Mello com seleção e prefácio de Marcos Frederico Krüger Aleixo.

 




Comente o texto


*

Comente tambm via Facebook